Outros Seres da Hierarquia Pessoal - A Cigana - 1





Cigana, crayon , por Ricardo Ribeiro Machado ©




    A Cigana é um ser que se apresenta para quem se propõe a estudar e trabalhar com alguma das artes divinatórias como Tarô, Runas, Búzios, Bola de Cristal, Pêndulos, Quiromancia ( leitura de mãos), Cartomancia ( leitura de cartas), Cafeomancia ( leitura da borra do café), Teimancia ( leitura das folhas de chá) e outros sistemas de leitura da sorte, previsão do futuro e outros oráculos.
    O trabalho da Cigana é abrir o oráculo dentro de num outro plano para o ser captar mensagens que possam lhe auxiliar a prever o futuro, assim como a entender melhor o presente e o tempo passado dentro de um processo evolutivo, seja consulente ou para quem recebe a consulta.
    A Cigana ativa mente do consulente e a liberta de questionamentos e julgamentos que possam prejudicar a consulta enquanto protege o consulente das vibrações negativas e das frequências desqualificadas que possam aparecer durante a consulta devido a interferências cármicas.
   A figura da Cigana é sempre alegre e feminina, com as roupas coloridas e alguns elementos ligados ao tipo de oráculo utilizado pelo consulente, assim como traz também talismãs, cristais, jóias outros símbolos que atuam como ferramentas de proteção acionados durante a consulta.




Cigana, crayon , por Ricardo Ribeiro Machado ©





Outros Seres da Hierarquia Pessoal - O XAMÃ



Xamã , crayon , por Ricardo Ribeiro Machado ©



    O Xamã é, dentro da Hierarquia pessoal o ser que navega entre diversos planos , ao mesmo tempo que lida com o plano físico, valendo-se de elementos curativos da natureza, da força dos animais, das instruções dos seres elementais para praticar a cura do corpo físico, ele também lida com o plano mental, quando adquire e repassa seus conhecimentos e sua maestria e, ao mesmo tempo, se eleva espiritualmente para acessar a vários planos superiores e inferiores de consciência de onde tira o suporte para guiar suas ações e orientações para aprimorar seu trabalho de cura.
    A imagem do xamã sempre remete a um curandeiro de alguma sociedade antiga, um povo primitivo ou uma tribo ancestral, remetendo a uma época onde a cura física, a medicina e as terapias de tratamento ainda não eram dissociadas da prática de magia e da espiritualidade.
    O Xamã é sempre inserido dentro da natureza, num ambiente onde o céu e a terra se unem, representando a união entre o mundo natural e o espiritual. Ele traz, além dos elementos que simbolizam o seu processo de atuação e remetem à sua origem ancestral, um instrumento musical ( tambor , flautas , chocalhos) e um ou mais animais de poder, representando sua força instintiva.